8 de nov de 2012

Malandragem

Por: Angélica Oliveira Furtado e Juliene Farnez de Araujo


Ainda assim eu te amo
Apesar de você ser proibida pra mim
Continuo com essa mania de você.
Você lembra da noite dos mascarados,
Quando a banda passou na praça?
Era um dia frio
Confesso: Senti dentro de mim 
Lembro também, de nós dois jogando palavras ao vento
Perdi meus óculos
Aquela sim, era a cidade maravilhosa
Onde encontrei você, minha garota de Ipanema
Vimos um barquinho navegando no oceano
E agora ele leva a minha esperança
De um ser triste numa casa de campo
Sem meus pais e filhos
Hoje guardo o seu retrato em branco-e-preto
Minha flor-de-lis dos jardins da Babilônia
Minha sina, meu bem
Ainda guardo o telegrama e seu velho all star
Lembra da tatuagem que fizemos aos 16 anos?
Éramos "maluca beleza"
Trocando em miúdos a nossa história:
E isso nunca vai passar 
Que venha o segundo sol e passem por mim as águas de março



Versos sem Rumos - Valores de Minas 2008







4 comentários:

  1. Obrigada pela visita!!
    Que lindíssimo o verso com letras de música...
    A música sempre é inspiração!!
    Bjinhos e volte sempre!!

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente adorei*-*
    Você e sua amiga conseguiram pegar ótimas músicas que representam muito bem a cultura brasileira.
    Adoro a maioria, especialmente Pais e filhos da Legião*--*

    Parabéns pelo ótimo post,

    beijos,

    Juliana,
    http://ser-escritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Juliana!
    Pais e filhos é mesmo muito boa! Também amo.

    Obrigada pela visita! =D

    ResponderExcluir
  4. Adorei Juju, parabéns pra tu e sua amiga.

    ResponderExcluir